Mau de Alzheimer

O que é a doença de Alzheimer?

A doença de Alzheimer é a causa de demência mais comum. O termo “demência” descreve um conjunto de sintomas que inclui perda de memória, mudanças de humor, problemas de comunicação e de raciocínio. Esses sintomas ocorrem quando o cérebro é afetado por certas doenças e condições inclusive a doença de Alzheimer. Esse artigo descreve os sintomas e fatores de risco da doença de Alzheimer e quais tratamentos estão disponíveis atualmente.

A doença de Alzheimer é uma doença que afeta o cérebro e foi descrita pela primeira vez pelo neurologista alemão Alois Alzheimer. Durante o desenrolar da doença a proteína “placas” e “emaranhados” se desenvolvem na estrutura do cérebro, levando à morte as células cerebrais. As pessoas com doença de Alzheimer, também têm carência de algumas substâncias químicas importantes em seus cérebros. Essas substâncias químicas estão envolvidas na transmissão de mensagens dentro do cérebro.

Alzheimer é uma doença progressiva, isso significa que, gradualmente, com o passar do tempo mais partes do cérebro são lesionadas. À medida que, isso acontece os sintomas se tornam mais graves.

SINTOMAS

Nos primeiros estágios da doença de Alzheimer as pessoas podem experimentar lapsos de memória e ter dificuldades para se expressar. Á medida que a doença progride elas podem:

·        Ficar confusas e, frequentemente, esquecer os nomes das pessoas, dos lugares, compromissos e eventos recentes.

·        Experimentar oscilações de humor, sentir tristeza ou revolta, ou ficar temeroso e frustrado, devido à crescente perda da memória.

·        Ficar mais retraídas, devido ou à perda da confiança ou devido aos problemas de comunicação.

·        Ter dificuldades de realizar as atividades cotidianas, ficar confusas ao conferir o troco nas compras ou ficar inseguras ao tentar manusear algo.

Com o agravamento as pessoas com doença de Alzheimer precisarão de mais apoio daqueles que cuidam delas. Eventualmente, elas precisarão de ajuda em todas as suas atividades diárias.

Embora, existam alguns sintomas comuns da doença é importante lembrar que não há duas pessoas que, provavelmente, padeçam a doença de Alzheimer da mesma maneira.

Comprometimento Cognitivo Leve (CCL)

Recentemente, alguns médicos começaram a usar o termo Comprometimento Cognitivo Leve (CCL) para um indivíduo que tem dificuldade em lembrar-se das coisas ou de pensar claramente, apesar dos sintomas não serem, suficientes, para se garantir um diagnóstico da doença de Alzheimer. Pesquisas recentes mostraram que indivíduos com CCL têm um risco crescente de desenvolver a doença de Alzheimer. No entanto, a taxa de conversão do CCL é baixa (cerca de 10 a 20 por cento/ano) e, consequentemente, um diagnóstico de CCL nem sempre quer dizer que a pessoa continuará a desenvolver a doença.

Quais as causas da doença de Alzheimer?

Até agora, nenhum fator único foi identificado como uma causa para a doença de Alzheimer. É provável que, a combinação de fatores, que inclua idade, herança genética, fatores ambientais, estilo de vida e estado geral de saúde sejam os responsáveis. Em algumas pessoas a doença pode evoluir silenciosamente por muitos anos antes dos sintomas se manifestarem.

Idade

A idade é o maior fator de risco de demência. A demência afeta uma em cada quatorze pessoas acima dos 65 anos e uma em cada seis acima dos 80 anos. Entretanto, a demência não se restringe às pessoas idosas. No Reino Unido há cerca de, 17.000 pessoas com idade inferior a 65 anos com demência, embora, provavelmente, esse número esteja subestimado.

Herança genética

Muitas pessoas temem que possam ter herdado a doença de Alzheimer e, atualmente, os cientistas estão investigando o contexto genético dela.

Nós temos conhecimento de algumas famílias que têm um indício de transmissão da doença, muito claro, de uma geração para outra. Isso é frequente nas famílias em que a doença se manifesta precocemente.

Contudo, na grande maioria dos casos, a influência dos genes hereditários da doença de Alzheimer nas pessoas mais velhas parece ser pequena. Se um pai ou outro parente têm Alzheimer, suas chances de desenvolver são um pouco mais alta, do que se nenhum caso de Alzheimer exista nos parentes próximos.

Fatores ambientais

Os fatores ambientais, que possam contribuir para o início da doença de Alzheimer, ainda não foram identificados. Há alguns anos atrás, existiam preocupações sobre se a exposição ao alumínio poderia causar Alzheimer. Contudo, esses temores foram, largamente, reduzidos.

Outros fatores

Devido à diferença na sua composição cromossômica as pessoas com síndrome de Down que vivem, até os seus 50, 60 anos de idade, particularmente, correm o risco de desenvolverem a doença de Alzheimer. As pessoas que apresentam fortes dores de cabeça ou cervicalgia apresentam um risco maior de desenvolver demência. Os pugilistas que sofrem golpes contínuos na cabeça, também correm esse risco.

As pesquisas, também mostram que as pessoas que fumam e aquelas que têm tensão arterial e níveis de colesterol altos ou diabetes estão em risco crescente de desenvolverem Alzheimer. Pode-se reduzir o risco ao não fumar, ao se alimentar com dieta saudável e equilibrada e, verificando, regularmente, a pressão arterial e o nível de colesterol. Manter um peso adequado e levar um estilo de vida combinando atividade física e social, bem como, atividade mental, também vai ajudar.

Obtendo um diagnóstico

Se você está preocupado com a sua saúde ou com a saúde de alguém próximo a você é importante buscar ajuda. Um diagnóstico precoce trará uma série de benefícios, inclusive a oportunidade de planejar o futuro e ter acesso ao tratamento, conselho e apoio.

Não existe um teste objetivo para a doença de Alzheimer ou para qualquer causa de demência. Um diagnóstico é normalmente feito por exclusão de outras causas que apresentam sintomas semelhantes. Um diagnóstico mais preciso precisará de eliminar condições como infecções, deficiência de vitamina, problemas de tireoide e efeitos colaterais de medicamentos.

Especialistas

O especialista pode ser um psiquiatra de idosos, um neurologista, um médico em medicina geriátrica ou um psiquiatra geral. Qual pessoa procurar vai depender da idade e como o paciente se encontra fisicamente.

Testes

Normalmente, o paciente terá que fazer os exames de sangue e um exame físico completo para excluir ou identificar outros problemas médicos. Inicialmente, a memória da pessoa será analisada com perguntas sobre eventos recentes ou lembranças passadas. As habilidades para se lembrar e raciocinar, também, podem ser analisadas em detalhes por um psicólogo. Um mapeamento do cérebro pode ser realizado para mostrar algumas pistas das mudanças ocorridas no cérebro da pessoa. Existem diversos tipos de mapeamento, incluindo a tomografia computadorizada e a ressonância magnética.

Tratamento

Atualmente não existe cura para a doença de Alzheimer. Entretanto, estão disponíveis tratamento com drogas que podem, temporariamente, aliviar alguns sintomas ou diminuir a progressão da doença em algumas pessoas.

As pessoas com Alzheimer apresentam carência da substância química acetilcolina em seus cérebros. Algumas drogas são utilizadas para manter o suprimento de acetilcolina. Os efeitos colaterais são baixos, mas podem ocorrer diarreia, náusea, insônia, fadiga e perda de apetite. As drogas não curam, mas estabilizam alguns dos sintomas da doença de Alzheimer por um período de tempo limitado entre seis a doze meses ou mais.

Mais informações:

 

Extraído do : http://www.alzheimercalgary.ca/content/generic_atoms/titlefilecaption-files/What_is_Alzheimers_disease_UK_factsheet_.pdf

Tradução: Adelson Alves

 

Newsletter

Assine a nossa newsletter: